NEXT CONQUEROR

o blog do Davi Jr.

Arquivos de tags: nintendo 64

RESENHA: The Legend of Zelda – Majora’s Mask (N64, 3DS)

O tempo sempre foi um elemento recorrente nas mais diversas culturas, mitologias e entretenimentos. Tanto por sua definição intangível como por sua ideia mística, diversas mídias continuam a se utilizar dos seus conceitos como pano de fundo em produções grandiosas da literatura, cinema e TV, sendo no mundo dos games, The Legend of Zelda – Majora’s Mask o responsável por seu desenvolvimento mais prático e ao mesmo tempo mais profundo.

majoras_mask_logo_link

CONTINUANDO O MAIOR JOGO DE TODOS OS TEMPOS

Apesar de Ocarina of Time (leia a resenha aqui) ter demorado cerca de 4 anos para ser concluído, sua continuação, Majoras Mask veio rápido ao mercado: em apenas 1 ano, os fãs de The Legend of Zelda já tinham em mãos a continuação de da saga de Link.

A rapidez se deu por dois motivos: primeiro pelo sucesso que o antecessor fez no Nintendo 64 (foram mais de 7 milhões de cópias vendidas em todo o mundo) segundo por que Majoras Mask se utilizou da mesma engine de Ocarina of Time e, por sugestão de Shigeru Miyamoto, sua linha narrativa foi toda passada em um mundo compacto, num espaço de tempo restrito e num sistema de jogabilidade nunca antes tentado na indústria dos games.

A história se passa três meses depois dos acontecimentos de Ocarina of Time: Link parte em busca da fada Navi, que desapareceu no final do jogo anterior. Durante o caminho, ele é atacado pelo misterioso Skull Kid, que utilizava a Máscara de Majora e era acompanhado por suas fadas, Tael e Tatl. Skull Kid rouba a Ocarina do Tempo e a égua de Link, Epona. Link o persegue até o buraco de uma árvore e acaba atravessando uma passagem dimensional que o leva para um outro mundo paralelo.

Esqueça Hyrule: em Majora's Mask, Link terá que salvar a cidade de Termina!

Esqueça Hyrule: em Majora’s Mask, Link terá que salvar a cidade de Termina!

Seguindo adiante, Link vai parar dentro da torre do relógio da cidade de Termina. Ele encontra um misterioso vendedor de máscaras que lhe pede ajuda para recuperar a Máscara de Majora. Caso a máscara não fosse recuperada, as consequências poderiam ser catastróficas. Link então descobre que com os poderes malignos da máscara, Skull Kid fez sua maior travessura: tirou a lua de sua órbita original. Caso nada seja feito, a lua colidirá com a Terra e o mundo acabará em 72 horas.

72 HORAS

Majora’s Mask permanece com a mesma estrutura básica de todos os The Legend of Zelda: explore o mundo, recolha itens e rupias, encontre as masmorras, derrote os chefes para conseguir os itens-chave até conseguir chegar no chefão final para vencer o jogo.

Assim como seus antecessores, os puzzles continuam criativos e desafiadores, mas desta vez, a influência do tempo e os truque que tem que ser usados com a Ocarina para superá-los chegam a níveis extraordinários.

Com o fator limitante de ter que zerar o jogo em 72 horas, toda vez que o contador de tempo chega a essa marca, os jogadores são obrigados a tocar a Ocarina e chegar no momento inicial da história, quando link chega em Termina, perdendo todos os itens (exceto os itens chave), rupias e interações criadas com outros personagens.

A galeria de personagens garante side story's e backgrounds emocionantes, e por vezes bem pesados, à história do jogo.

A galeria de personagens garante side story’s e backgrounds emocionantes, e por vezes bem pesados, à história do jogo.

Este loop de tempo, além de dificultar os puzzles, faz com que o gamer crie uma consciência de tempo e calcule como e quando realizar as tarefas que são impostas, muitas vezes sendo necessário refazer algumas passagens para conseguir o sucesso.

No 3DS, os cenários que já eram exuberantes, chegando aos níveis máximos do portátil. Mesmo que com um mundo compacto, o jogo é extremamente dinâmico pelas transformações que as máscaras proporcionam, sendo possível enxergar o mesmo cenário de diversas maneiras de acordo com o espírito que Link encarna, o que traz novidade mesmo nas vezes em que é necessário repetir as quests.

UMA MÁSCARA QUE TODOS DEVEM JOGAR

Com uma dinâmica singular e uma linha narrativa única, The Legend of Zelda – Majora’s Mask serve de inspiração para fãs da franquia e gamers de todos os gostos para ganhar seu lugar na história. Por mais que se escreva e escreva, o feeling que cria ao jogar o game é única e quase inexplicável, tamanha a identificação que a rica galeria de personagens que inspira às transformações de Link cria a cada back-story.

Skull Kid fez sua última travessura e marcou para sempre seu lugar no coração dos fãs. Tomare que a Nintendo de outra chance para ele num futuro game da franquia.

Skull Kid fez sua última travessura e marcou para sempre seu lugar no coração dos fãs. Tomare que a Nintendo de outra chance para ele num futuro game da franquia.

Mesmo sem Zelda e Ganondorf, o game possui uma variedade de personagens que cativam e geram identificação a cada novo quebra-cabeça a ser resolvido. As histórias paralelas criam um vínculo tão grande com o jogador que é impossível não se emocionar ou mesmo filosofar enquanto questões são postas como obstáculos.

O mais difícil dos games de The Legend of Zelda guarda um carisma único e um fator replay irresistível, fazendo de sua essência o equilíbrio perfeito entre desafio e diversão.

Anúncios