NEXT CONQUEROR

o blog do Davi Jr.

Arquivos de tags: Masashi Kishimoto

RESENHA: Naruto Shippuden, a saga de Pain

Medo e apreensão. Curiosidade e estagnação. Desde que a humanidade se entende ser vivente, a morte foi alvo das mais variadas abordagens ideológicas e psicológicas. Durante a Saga de Pain, a morte é vista em vários pontos de vista, de diversas maneiras em Naruto Shippuden.

Naruto-Shippuden-Saga-do-Pain

E SAGA MOSTRA PRA QUE VEIO

Após duas sagas introdutórias, Naruto Shippuden finalmente começou a delinear o seu conceito e desenvolver uma história que havia ficado estagnada. Necessária e surpreendente, o Resgate do Kazekage (leia a resenha aqui) foi essencial para mostrar o crescimento de Sakura e o amadurecimento de Naruto, porém, o Reencontro com Sasuke (leia a resenha aqui) deixou na série um quê parecido com o conceito do personagem Orochimaru: interessante, mas que parece se limitar a encontros esperados pelos leitores, deixando conclusões de lado.

Assim, mesmo aparentemente sem ter noção disto, quando Masashi Kishimoto iniciou o terceiro arco de Naruto Shipudden com um treinamento de Naruto, o autor acabou gerando uma saga com três arcos que se completam entre si e finalizam uma abordagem interessante do amadurecimento pretendido aos protagonistas: como encarar a morte.

Pain e Konan, um passado sofrido que criou uma equipe audaciosa!

Pain e Konan, um passado sofrido que criou uma equipe audaciosa!

Mesmo que o personagem título desta saga faça a sua revelação apenas no segundo arco e sua ação apenas no terceiro, sua influência na temática da saga já começa no primeiro arco, visto que, como líder da Akatsuki, Pain declara os objetivos da organização em dominar o mundo com o poder da entidade máxima conseguida com o poder dos 9 monstros de cauda selados que a organização começou a colher deste a saga do Resgate do Kazekage.

PRIMEIRO ARCO: SHIKAMARU E AZUMA

O que caracteriza os três arcos como uma só saga é a temática que liga todas, além da presença influenciadora de Pain? A morte.

A história inicia-se quando Pain manda Hidan e Kazuku para invadir a Vila da Folha. Hidan foi voluntário de um kinjutsu, experiências que as pessoas de sua religião faziam. Nesse kinjutsu, Hidan ganhou imortalidade. O seu principal jutsu, só é possível por causa de sua imortalidade.

Ele usa a foice de três gumes que ele carrega, para tirar sangue do adversário. Depois ele ingere o sangue, e faz um símbolo no chão, e quando entra nele, todos os golpes que ele recebe, seu adversário também recebe. Então ele usa sua imortalidade dando golpes fatais em si mesmo, e matando o adversário. Com esse jutsu ele matou Asuma Sarutobi, o primeiro a digladiar a dupla quando estes chegaram à Vila.

Shikamaru chora a morte de Asuma.

Shikamaru chora a morte de Asuma.

Provocando a fúria de Shikamaru, que via Asuma como um exemplo de líder, confiança e fraternidade, o personagem mais uma vez assume o protagonismo da série montando uma estratégia se utilizando das equipes 7 e 8 para vencerem os ninjas da Akatsuki, ficando com ele o objetivo final de vencer Hidan.

Já Kakuzu tem uma técnica de estender sua vida. Com isso ele teve uma vida excepcionalmente longa. É tão velho que lutou contra o Primeiro Hokage. Na verdade, isso foi uma missão dada a ele pela Vila da Cachoeira, mas como falhou, foi punido e preso. Ao fugir da prisão, ele conseguiu essa técnica. Ele aumente sua vida, ao roubar o coração das pessoas, usando os inúmeros fios pretos de seu jutsu. Somado ao coração dele, o máximo de corações que ele pode ter, é cinco, tendo cinco vidas. Ou seja, teriam que matá-lo cinco vezes para poderem vencê-lo. E além disso cada um dos corações pode lutar a seu favor como um ninja distinto, e cada um dos corações com seu elemento.

Na luta contra os ninjas de Konoha, Kakuzu tem seus cinco corações destruídos. O primeiro é vítima do Chidori de Kakashi. O segundo é vítima do jutsu de Hidan, que o mata acidentalmente. O terceiro e o quarto são vítimas de um único jutsu de Naruto, o Rasen Shuriken. O último é morto também por Kakashi.

O trabalho em equipe vence a imortalidade da Akatsuki!

O trabalho em equipe vence a imortalidade da Akatsuki!

O contraponto é interessante: enquanto os vilões dominam a imortalidade, os heróis lutam para proteger a vida, mas ainda assim tendo que matar os inimigos, acabando com sua vida eterna.

SEGUNDO ARCO: JIRAIYA E PAIN, SASUKE E ITACHI

O segundo arco começa com uma ideia interessante da quebra de paradigma que sofrem um shonens: ir direto ao chefe final antes de passar por todos os componentes de antagonistas.

Cabendo a Jiraiya a missão de ir até o líder da Akatsuki, o ninja sennin invade o País da Água, descobrindo que o Mizukage é Pain.

Devido às suas condições geográficas, o pequeno País da Água sempre foi o mais prejudicado com as guerras ninja, já que este sempre acaba sendo palco das disputas dos países da Terra, Ar e Fogo, o que levou o país a se fechar comercialmente, pouco enviar ninjas a encontros diplomáticos com Exames Chunins e estar em constante guerra civil.

Num palco de mortes, o passado de Jiraiya é contado mostrando a origem de Pain.

Jiraiya é obrigado a utilizar seu poder máximo contra Pain!

Jiraiya é obrigado a utilizar seu poder máximo contra Pain!

O ser chamado de Pain são seis corpos que compartilham da mesma consciência, sendo todos controlados por Nagato Uzumaki. Quando pequeno, Nagato foi treinado por ninguém menos que Jiraiya, o sennin do sapo. Seus companheiros de equipe eram os também orfãos Yahiko e Konan, todos membros do grupo de mercenários Ame. Nagato carregava em seus olhos o poder do maior entre os doujutsu oculares, o Rinnegan, uma técnica ocular única, originalmente usada pelo Eremita dos Seis Caminhos: um misto de lenda, religião e história que dá origem ao mundo ninja.

Isso lhe permitiu aprender as mais diversas técnicas, dos mais diversos elementos. Com a saída de Jiraiya do time (que voltara ao País da Folha), Yahiko criou a Akatsuki, um grupo de ninjas mercenários, para assim, um dia ter chances de matar Hanzo, o líder opressivo de Ame. Ao confrontar diretamente Hanzo, Yahiko é morto. Daí Nagato usa ferozmente o Rinnegan, e mataria Hanzo, não fosse a técnica de teletransporte. Nagato, então, transforma o corpo do melhor amigo, Yahiko, em Pain (do inglês: Dor). Nagato também usa mais cinco corpos de ninjas mortos, e junto a Yahiko, formando assim os Seis Caminhos de Pain, ou Seis Caminhos da Dor. Com isso, Pain derrota toda a Ame, inclusive Hanzo.

De volta ao presente, em uma luta dramática e cheia de lembranças difusas e mal interpretadas, Pain vence Jiraiya, que cai morto em uma das cenas mais polêmicas da série. Kishimoto foi inteligente em não deixar claro tal perda de personagem, tanto pelo quão querido Jiraiya sempre foi, como por incentivar fãs a criarem diversas teorias justificando (ou não) a sua morte para o enredo geral.

Seis! Nagato é Pain!

Seis! Nagato é Pain!

Ao mesmo tempo que acontece o combate entre Jiraya e Pain, o arco conta uma das mais dramáticas e esperadas disputas da história: a luta entre os irmãos Sasuke e Itachi Uchiha.

Acontecendo logo após Sasuke matar Orochimaru para absorver seu poder e vencido Deidara para chegar ao local de repouso do irmão, a luta se inicia com um choque de genjutsus. A disputa tem diversos confrontos psicológicos que podem ser interpretados como características das suas personalidades intimamente ligadas à questão da morte, cada uma desenvolvida de acordo com o histórico amplamente explorados personagens ao longo da história.

Utilizando suas técnicas máximas, ambos Uchihas se revelam grandiosos, porém Sasuke sagra-se vencedor, devido aos problemas físicos por qual passava Itachi que decidira utilizar o Mangekyou Sharingan (técnica suprema da herança sanguínea da família Uchiha que consome a vida do usuário). O fato que ser vencido pelo irmão, faz Sasuke ser aprovado no teste final de Itachi, em sua última etapa de treinamento.

Itachi morre com um sorriso!

Itachi morre com um sorriso!

Confuso? Parece, mas nem tanto. Após a luta dos irmãos, Tobi aparece para contar a verdade por trás da morte do clã Uchiha, mostrando que Itachi não era o traidor da Vila da Folha que todos pensavam ser, tendo sua causa ligada aos princípios da fundação da Vila da Folha: Itachi realizou o massacre (com a ajuda de Tobi) sobre as ordens dos conselheiros da Vila da Folha (encabeçado pelo líder dos Uchiha, Madara) para prevenir um golpe de estado dos Uchiha. O único poupado foi Sasuke porque Itachi amava mais seu irmão do que o clã ou a vila.

Os eventos deste confrontam aumentam ainda mais a popularidade de Itachi, que se tornou o grande mártir da história, além de provocar a ira de Sasuke, que culpou a Vila da Folha por tramas e disputas tão obscuras e danosas a ele mesmo.

Refletindo seu orgulho e egoísmo, Sasuke e sua equipe formada para ir ao encontro de Itachi começam a planejar a destruição de toda a comunidade ninja do País do Fogo se aliando à Akatsuki.

Naruto-shippuden--itachi-martiro

TERCEIRO: NARUTO E PAIN

É interessante notar como nos dois primeiros arcos da saga, a presença do personagem Naruto permanece irrelevante para seu desenvolvimento, tendo suas participações limitadas a um treinamento com Yamato e, posteriormente, a investigações com Shikamaru sobre as pistas deixadas por Jiraiya após este ser morto por Pain.

Num misto de fúria, desejo de vingança e honra ao seu mestre, Naruto amadurece muito quando foi colocado novamente como protagonista de sua história, no momento em que foi enfrentar Pain, que tentou destruir todos o seu emocional com eventos chocantes durante todo o terceiro arco da saga.

Motivado por Tobi, Pain invade a Vila da Folha com Konan para capturar Naruto, em teoria o último dos portadores dos seres com cauda que resta, visto que coube a equipe de Sasuke capturar o Oito Caudas (um ninja da Vila do Trovão) como prova de lealdade do grupo à Akatsuki.

Durante a invasão, a vila toda é dominada, grande parte é destruida, Tsunade entra em coma por utilizar todo seu chacra sennin e uma série de mortes provocativas á Naruto acontecem: Pain mata Kakashi e Hinata, esta última logo após a garota se declarar à Naruto já ciente que estava prestes a morrer.

Naruto ativa o modo sennin!

Naruto ativa o modo sennin!

Mostrando uma maturidade invejável a qualquer Luffy e Goku, Naruto mostra todo o resultado de seu treinamento vencendo os seis Pains utilizando o modo Sennin (o mesmo de Jiraiya).

Porém o destaque total para justificar o logro de despertar um poder tão próximo ao do sábio ermitão, Naruto vai até Nagato e pede para o personagem explicar todas as suas motivações para matar e se vingar de tanta gente.

Mesmo não concordando, Naruto se mostra um personagem de grandiosa humanidade, capaz de superar a morte, uma analogia a verdadeira imortalidade procurada pelos membros da Akatsuki e perdoa Pain.

Isso comove o personagem, que ao lembrar de Jiraiya, usa os poderes do Rinnegan para sacrificar sua vida e  reverter todas as morte que ocorreram durante a invasão a Vila da Folha.

PREPARATIVOS

A Saga de Pain reflete muito mais que uma temática bem desenvolvida, um enredo bem construído e a utilização reveladora de seus personagens: é o resultado da criatividade inventiva ímpar de Masashi Kishimoto, que uniu em três arcos uma temática interessante para qualquer povo em qualquer época e em qualquer estado.

O novo Rasengan é devastador!

O novo Rasengan é devastador!

Mesmo a franquia Naruto tendo diversos momentos sem foco e obtusos (como a Saga do Quarteto do Som, leia resenha aqui) ou mesmo planejada com objetivos infinitamente comerciais, sagas grandiosas como esta mostra o quão ascendente, imersivo e reflexivo um best-seller pode se tornar se a sua base é composta do que mais motivou a humanidade desde que esta abriu os olhos pela primeira vez: a paixão em viver!

Anúncios

RESENHA: Naruto Shippuden, o Reencontro de Sasuke

As vezes é necessário um recomeço: reagrupar, organizar e refazer todos os laços perdidos. Introduzindo um novo personagem no arco do Reencontro com Sasuke, foi possível recomeçar a equipe 7 de Kakashi, resgatando valores e reincidindo personagens em Naruto Shippuden.

Naruto-shippuden-orochimaru-logo

E LÁ VAMOS NÓS!

Nem sempre uma saga de introdução é suficiente para reapresentar uma série com uma quantidade tão grande de personagens como Naruto, ainda mais quando os protagonistas se dividem em situações tão diferentes entre elas.

Assim, após apresentar a versão 2.0 revisada e melhorada de Sakura, recolocar Kakashi na posição que sempre deveria ter ocupado e localizar a organização Akatsuki como principal antagonista dos novos rumos da série durante o arco do sequestro do Kazekage (leia a resenha aqui) era hora de trazer a tona o que se tornaram os dois principais personagens da série: Naruto e Sasuke.

Mas antes, Masashi Kishimoto quis reformatar a Equipe 7, substituindo dois de seus membros. Ferido após a luta contra Deidara, Kakashi foi substituído por Yamato, um shinobi de elite do Esquadrão Ambu e Sasuke, por um membro do Esquadrão Ambu Raiz: Sai.

Os membros da Ambu não tem nome, por isso, seus líderes lhes batizam quando estes vão realizar tarefas fora do esquadrão. Batizado por Danzou, o líder do Raiz, Sai ainda foi designado por uma missão que não condizia com os interesses da Quinta Hokage quando convocou ele para substituir o quarto membro da equipe 7: matar Sasuke!

Sasuke aparece com sua nova aparência!

Sasuke aparece com sua nova aparência!

Guiados pela pista deixada por Sasori após Sakura vencê-lo, a nova Equipe 7 segue em sua missão: descobrir quem é o espião da Akatsuki entre os seguidores de Orochimaru para conseguir pistas de Sasuke e trazê-lo de volta para a Vila da Folha, já que este é o corpo perfeito para o próprio Orochimaru conseguir seus interesses, contrários aos do País da Folha.

SURPRESAS E FORTES EMOÇÕES

O arco, apesar de curto, trouxe a tona muitas das coisas que os fãs mais queriam ver.

Deixado de lado no arco inicial anterior, o novo poder de Naruto consiste na liberação da quarta cauda da Kyuubi, o que causa o descontrole emocional de Naruto e uma capa protetora de chakra que envolve o garoto enquanto este luta.

O passado de Sai também é um dos temas abordados: com um falso sorriso no rosto, o garoto aprendeu a suprimir seus sentimentos, o que o torna ainda mais arrogante que Sasuke na época em que ele integrava a esquipe 7, fazendo-o alvo de muitas discussões com Naruto e Sasuke.

O falso sorriso de Sai.

O falso sorriso de Sai.

Assim como todos os conflitos envolvidos, o reaparecimento de Sasuke não poderia ser mais dramático: frio, despretensioso e egocêntrico, o último membro do Clã Uchiha está sedento de vingança por seu irmão Itachi, fazendo este perder qualquer tipo de sentimento pelos aprendizados com a equipe de Kakashi.

LAÇOS

O tema principal de arco são o rompimento e a construção de laços: enquanto Sai e Sasuke tentam se desprender dos laços do passado, Naruto e Sakura lutam para recuperar a amizade do ex-companheiro.

A exemplo de seus companheiros de equipe, Sai aprende o que são esses elos que ligam as pessoas, mostrando-se muito mais aberto ao que sua equipe deseja que o próprio Sasuke.

Mostrando as diferentes formas de se encarar os motivos que unem as pessoas, Kishimoto criou um arco curioso que acalmou os ânimos dos fãs de Sasuke e Orochimaru, mas de pouca importância num aspecto geral, já que, fora a inclusão (desnecessária) de um personagem como Sai, pouco ficou deste arco que interferiu no restante da história.

Naruto desperta o poder das 4 caudas da Kyuubi!

Naruto desperta o poder das 4 caudas da Kyuubi!

RESENHA: Naruto Shippuden, o Resgate de Kazekage

Todos os saltos de gerações trazem novidades e ousadias quando comparadas a sua geração anterior. Ciente que a fórmula de sua história não mais acompanhava o seu público-alvo, que estava quase 8 anos mais maduro que no início da história, Naruto Shippuden veio para trazer novidade à série, iniciando com o eletrizante Resgate do Kazekage!

Naruto-shippuden-logo-sakura

UM NOVO NARUTO

Apesar da divisão de série só existir no anime, o salto temporal que Masashi Kishimoto criou em Naruto é um divisor de águas dentro da história, seja ao avaliar o seu enredo quanto o seu desenvolvimento.

Envelhecendo seus protagonistas, o autor pode aproximá-los do seu público cativo sem perder os novos entrantes, já que mesmo mais velho, o Naruto da fase Shippudden é apenas 3 anos mais velho que o personagem inicial.

Além disso, amadurecer seu ninja loiro não foi apenas um movimento mercadológico, para dar sequência a história de um garoto que sonha se tornar o líder máximo de sua vila, posto só conseguido por um seleto grupo de pessoas muitíssimo experiente física e intelectualmente, Naruto não poderia até o fim da história se manter como um garoto.

E para iniciar a narrativa, nada melhor que envolver em uma só narrativa os três grupos mais populares da série em um arco igualmente envolvente: o resgate de Gaara, o atual kazekage da Vila da Areia.

Naruto amadureceu, mas continua cheio de infantilidades.

Naruto amadureceu, mas continua cheio de infantilidades.

AMIGOS E RIVAIS

Filho do antigo kazekage e com poder suficiente para se tornar o líder de sua vila, Gaara foi um personagem que teve uma mudança de personalidade imensurável na saga que finalizou a fase clássica de Naruto.

Colocando o personagem, da mesma idade de Naruto, como líder da Vila da Areia, Kishimoto pode aliar em um só personagem os dois maiores temas desenvolvidos em seus protagonistas em sua nova saga: o desejo de proteção e o amadurecimento.

Não só o público madureceu, para que a história continuasse interessante, Kishimoto teve a difícil missão no arco inicial da fase Shippudden de mostrar que seus prsonagens também amadureceram, criando missões onde mestre e discípulos foram colocados em pé de igualdade.

Da mesma maneira, o amor que Gaara mais desprezava durante toda a fase clássica foi o que mais passou a motivar o personagem após ter perdido a luta contra Naruto no apogeu do Exame Chunin (clique aqui para ler a resenha).

Gaara foi sequestrado!

Gaara foi sequestrado pela Akatsuki!

Além disso, criar um arco em que o sequestro de tal personagem fosse o tema central foi a oportunidade ideal para poder entregar uma analogia para a busca de tudo o que o personagem representava como par mostrar os pontos de vista políticos entre as Vilas da Folha e da Areia.

ENTRA EM CENA A AKATSUKI

Com a história da facção apenas pincelada na fase clássica, a Akatsuki chegou como principal antagonista na fase Shippudden, deixando claro seus objetivos desde o início: capturar e obter o poder dos nove monstros com cauda (Bijuu, no original) aprisionadas em corpos de ninjas, a começar pela Chukkaku da Areia, ou o Ichibi – Uma Cauda, de Gaara.

E os embates criados no desenvolver da história não poderia ser melhores: logo de início, a Equipe 7 (com Kakashi, Naruto e Sakura) e a Equipe de Gai (formada pelo treinador, Rock Lee, Neji e Tenten) enfretam Itachi e Kisame, numa luta para deixar claro as intenções do grupo e a ciência disto para todos os membros da Folha.

Mas o que mais empolgou neste início foi sem sombra de dúvida o papel que Sakura ganhou.

Sakura se tornou uma grande shinobi!

Sakura se tornou uma grande shinobi após o treinamento com Tsunade!

Treinada por Tsunade no período em que Naruto esteve fora da Vila da Folha, a ninja de cabelo rosa se tornou não apenas uma das melhores shinobis médicas como uma exímia lutadora que pela primeira vez pode testar suas novas habilidades.

Em uma luta alucinante contra Sasori, um ninja manipulador de marionetes que fora expulso da Vila da Areia, Sakura mostrou habilidade, graça e mostrou como amadureceu.

Com a ajuda de Chiyo, avó de Sasori, Sakura tem uma vitória marcante e essencial para a ligação com a continução da história, além de ganhar o título de primeira ninja a vencer um membro da Akatsuki na história.

Enquanto isso, Kakashi mostrou pela primeira vez o Mangekyou Sharingan numa luta contra o ninja Deidara, criador de bombas barro, deixando os leitores e espectadores curiosos para saber qual foi a habilidade secreta que Jiraiya pediu para Naruto não utilizar.

SEM RASENGAN

Deixando Naruto na tangência e dando mais importância ao desenvolvimento do contexto que do personagem, Kishimoto pode dar um belo início para a fase que ganharia o coração dos fãs quando transformada em anime.

Kakashi apresenta o Mangekiyou Sharingan!

Kakashi apresenta o Mangekyou Sharingan!

Além de colocar personagens importantes no lugar que sempre mereceram, a clareza e a objetividade passaram a ganhar forma no arco do Resgate de Gaara, evitando o arrastamento de inúmeros segredos que rodeavam os personagens na série clássica e perdiam a graça quando revelados.

Além disso, a Akatsuki foi a criação de uma organização criminosa que se mostrou a altura de fazer a vilania da história, visto que Orochimaru estava com a imagem cada vez mais gasta criando um enredo cheio de razão de ser e contado de maneira a marcar a história dos mangás e animes.

Resenha: Naruto, a Saga do Quarteto do Som

De todos os grupos que exercem influência na formação do ser, a família não é só a unidade principal de seu desenvolvimento, como a base de tudo o que uma pessoa vai desejar para seu futuro. Em Naruto, durante a Saga do Quarteto do Som, várias formações foram mostradas e falta dela, foi chocada.

Naruto-quarteto-do-som

FAMÍLIA

Querendo ou não, por influência de seus editores e por mérito próprio, Masashi Kishimoto sempre conseguiu transformar a leitura dos acontecimentos da Vila da Folha em algo muito próximo da realidade do mundo contemporâneo.

Durante a Saga da Ponte, o autor pode criar protagonistas que satisfazem os quatro tipos de personalidade mais básicos do ser humano (leia a resenha aqui), enquanto que no Exame Chunin a analogia entre aluno e escola foi a mais evidente (leia a resenha aqui).

Porém, mesmo que citada e colocada como principal fator influente em diversos pontos decisivos da história, nunca a família foi um ponto tão decisivo como no último arco da história que ainda apresenta os personagens na fase de criança: a Saga do Quarteto do Som.

PARA MENINOS

Enquanto todas as outras sagas as personagens femininas desenpenhavam papéis relevantes para o seu desenvolvimento, uma clara estratégia de garantir um público cativo de mulheres, durante a Saga do Quarteto do Som, Kishimoto se focou em personagens masculinos como guias da história.

O time formado por Shikamaru.

O time formado por Shikamaru.

Desiludido com sua falta de poder diante de Naruto, mesmo que com uma das melhores técnicas ensinadas por seu professor em mãos mas obcecado com sua vingança contra Itachi, Sasuke decide ceder aos pedidos de Orochimaru de treiná-lo, obrigando Tsunade, que se tornou a Quinta Hokage na entre-saga anterior (leia a resenha aqui) a mandar um grupo inusitado para recuperá-lo antes que ele chegue a Vila do Som.

Planejado ou não, o autor ainda deixou que adultos de total importância no passado, como Kakashi ou Gai, ainda ficassem de fora, sendo apenas uma referência para os personagens, que precisariam, como em nenhum outro momento, tomar as rédeas de suas próprias ações pra proteger a desfalcada Vila da Folha após a invasão da Vila do Som, aliada a Vila da Areia durante o exame Chunin.

O escolhido para liderar a missão de resgate é nada mais nada menos que Shikamaru Nara, o único participante do Exame Chunin promovido à categoria após suas brilhantes estratégias contra Tsunade nos combates um contra um.

A partir deste momento, começam as influências da família em cada uma das decisões de Shikamaru e em cada um dos combates realizados em por cada um do grupo que ele reuniu.

Shouji luta contra seus próprios fantasmas.

Shouji luta contra seus próprios fantasmas.

QUINTETO X QUARTETO

A família de Shikamaru é tão curiosa quanto sua personalidade. Mesmo com um dos pais mais talentosos da Vila, o jonin é totalmente submisso a esposa, uma mulher nervosa e meticulosa com as tarefas domésticas, o que deixa Shikamaru muito irritado.

Isso fez com que o ninja desprezasse a força feminina, reunindo um grupo de mais quatro ninjas (Naruto, Neji, Kiba e Shouji) para ir com ele recuperar Sasuke.

Se os cinco tivessem apenas que encurralar e trazer o problmático Uchiha de volta, talvéz a tarefa fosse mais simples, mas o ninja rebelde está acompanhado do quarteto do som, o grupo de discípulos mais forte de Orochimaru, o que rendeu batalhas que colocaram os cinco ninjas da folha em cheque.

Gordinho, desengonçado e com um complexo de inferioridade com as garotas e com os amigos, Shouji foi o primeiro a enfrentrar os ninjas do som, mostrando que por trás de sua comilança desenfreada, há um ninja com grandes poderes, capaz de fazer frente a qualquer poder, graças as técnicas glutônicas passadas de geração em geração por sua família e pela crença inabalável de Shikamaru no poder do amigo.

Neji ganhou uma luta difícil, mas que pode mostrar seu lado humano, visto que durante a luta contr Hinata e Naruto durante o Exame Chunin, o garoto havia se mostrado um tanto quanto arrogante e presunçoso quanto ao poder do Byakugan herdado de seu clã. A mudança de postura após ser derrotado pelo, até então, pior ninja de sua geração, fez com que Neji se colocasse mais como ninja que como o gênio cultuado pela vila e por sua família.

O Plano B de Tsunade.

O Plano B de Tsunade.

Antes do embate final, Orochimaru ainda mandou um ex-membro do grupo combater Naruto, o único que ele considera possível de resgatar Sasuke, mas a luta foi substituída por Rock Lee, que foi curado por Tsunade após uma dura cirurgia.

As três lutas finais foram protagonizadas pela ambição de Lee em se tornar um ninja de Genjutsu, o desespero de Shikamaru que enfrentava alguém tão inteligente quanto ele e Kiba, que passou a enfrentar 2 adversários.

Os três tiveram de ser salvos por Gaara e seus irmãos Kankuro e Temari, que após descobrirem que Orochimaru usurpou o posto de Kazekage da Vila da Areia, se tornaram os aliados mais confiáveis da Vila da Folha como retratação, Gaara teve de ensinar a Lee que emoções não se põe a mesa quando há lutas, enquanto Kankuru mostrou que o próprio poder é o mais importante na hora de proteger a família. Shikamaru foi o que mais aprendeu: foi salvo por uma mulher. O sexo frágil que sempre desmereceu pelas influências de seus pais.

NARUTO VS SASUKE

O climax desta saga vem com a batalha entre Naruto e Sasuke, ambos ninjas que sofrem com a falta de uma família para lhe passarem ensinamentos.

A luta mais aguardada de todos os tempos pelos fãs!

A luta mais aguardada de todos os tempos pelos fãs!

Frenética e cheia de flashs passados, a luta mostra o quão diferentes os rivais são: enquanto Naruto adotou seu professor Iruka, Sakura, Kakashi e o próprio Sasuke como uma espécie de família: aquela com quem ele aprende e quer deixar orgulhoso, o único herdeiro do clã Uchiha quer desvencilhar de laços familiares, visto que tal unidade de construção para ele foi abalada quanto Itachi matou a todos de seu clã, deixando-o apenas ele vivo.

O desfecho da batalha é tão instigante quanto abrupto, mostrando que mesmo com um coração duro, ainda há esperança de trazer Sasuke para o lado da quipe 7.

O fim da saga de ser o fim da série clássica no anime, marca o amadurecimento dos personagens para uma nova fase de acontecimentos, essencial para que a série se libertasse de laços primordiais para uma nova dinâmica que pudesse levar Naruto e os outros personagens a realizar os seus sonhos.

RESENHA: Naruto, a Busca pela Quinta Hokage

Toda história precisa de um motivo para ser contada. A cada verso, a cada luta, a cada frase composta, o personagem principal precisa se provar digno do papel de protagonista e sua saga, assim como sua vida, precisa ganhar significado e representatividade para quem entra em contato com seu mundo. Após quase 3 anos e 15 volumes encadernados, ainda faltava isso em Naruto que encontrou durante a Busca pela Quinta Hokage o ponto-chave para a união de tantos pontos, até então, dispersos na história.

UMA SHURIKEN DE SORTE?

Não é a toa que Naruto fez sucesso no mundo todo. A simples observação de pontos que compõe a série ou a leitura de detalhes de bastidores que o seu autor, Masashi Kishimoto, vez ou outra acaba deixando escapar em seus textos mostram que a formatação de Naruto foi programada para uma explosão mundial.

Um quarteto de protagonistas que atinge a todos os públicos (leia os detalhes na resenha da Saga sa Ponte, clicando aqui), variantes de contextos que se adaptam aos diversos contextos sócio-culturais e pessoais em dramas que refletem e extravazam os dramas do leitor (leia mais na resenha do Exame Chunin, clicando aqui) são só alguns dos elementos que fizeram a série ser conhecida em todo o mundo.

Contanto, ainda faltava algo para a história de Naruto: uma razão de ser.

Partindo de uma simples apresentação dos protagonistas e e do contexto da série durante a Saga da Ponte e extendendo o universo durante o Exame Chunin, a impressão que ficou ao longo do tempo é que Naruto foi um personagem escolhido ao acaso para ser protagonista.

Apesar da justificativa da Raposa de Nove Caldas estar presa em seu corpo desde um passado próximo e o desejo que o personagem tem de se tornar o maior líder de sua vila no futuro, faltavam motivos para que o protagonista conseguisse sustentar a história ao seu redor em tempo presente.

Se Jiraiya já foi essencial para a conclusão do Exame Chunin, durante a busca pela Quinta Hokage seu papel se tornou fundamental.

Naruto parecia estar sempre a mercê de um contexto a que todos os personagens estavam e a sua presença, ou não, parecia não ser tão determinantes para os resultados dos finais da saga, onde mesmo o personagem aprendendo e superando obstáculos, parecia apenas fazer algo que outra pessoa, Sasuke por exemplo, poderia fazer em seu lugar.

Com o fim do Exame Chunin, era hora de colocar ordem na casa, fazendo com que muitos dos pontos criados durante a saga dessem uma pausa para situar o papel do protagonista dentro da história, começa a Busca pela Quinta Hokage.

CHEGA A AKATSUKI

Um dos pontos mais críticos que o fim do Exame Chunin trouxe foi a morte de Hiruzen Sarutobi, o Terceiro Hokage, enquanto lutava contra Oroshimaru e contra os primeiro e segundo Hokages que o líder da Vila do Som ressuscitou.

Sem um comandante, os conselheiros anciões pediram que Jiraiya, o ninja lendário que preparou Naruto para a última prova do Exame Chunin, se tornasse o novo Hokage. Mesmo recusando, o ninja canastrão se propôs a procurar Tsunade, a ninja que como ele e Oroshimaru foram o trio sannin da Vila da Folha: os três ninjas lendários!

É antes da partida que ocorre um evento simples, porém determinante para o resultado final da saga: o irmão mais velho de Sasuke, Itachi Uchiha, entra na Vila da Folha e se revela membro da Akatsuki, uma sociedade formada por ninjas expulsos de suas respectivas vilas que estão sedentos por poder.

O motivo de Itachi? Naruto e a Kyuubi aprisionada em seu corpo.

É a chegada de Itachi na Vila da Folha que coloca Naruto em seu papel mais essencial na história: o de protagonista.

Isso não foi um choque apenas para o próprio ninja de cabelo loiro  mas muito pior para Sasuke, que mais uma vez viu seu rival abobalhado sendo o centro das atenções mesmo este tendo ciência que suas habilidades como membro do clã Uchiha superam, e muito, a Naruto.

Apesar da raposa de nove caldas sempre ter sido “a causa” da existência de Naruto e o diferencial do personagem com os demais, o surgimento de Gaara e da Shukaku, por exemplo, despertou dúvidas se tal fato realmente refletiria um justificativa para o papel de protagonista do personagem da história.

Somado a isso, o desejo de oroshimaru, o vilão da história por Sasuke ao invés de Naruto colocava o personagem na adjascência da história mais uma vez, algo incomum e preocupante numa história que, inclusvise, leva o nome do personagem.

Colocando um grupo de vilões ligados a Sasuke e a Oroshimaru atrás de Naruto, o personagem assume de vez seu papel de guia da história e a necessidade de desenvolver seu poder para não virar alvo da Akatsuki.

Assim, após Jiraiya expulsar o ninja exilado da vila, este parte com Naruto (e só Naruto) para uma viagem de encontro a Tsunade e, de quebra, o autor aproveita para terminar a ascensão de Naruto na história: colocá-lo no mesmo nível de Sasuke!

RASENGAN: JÁ ERA HORA

Um dos pontos que mais destacam os personagens em mangás shonen é o tipo de poder único e exclusivo que este tem em relação aos outros personagens. É por isso que logo no primeiro capítulo da história, Naruto aprende a utilizar o jutsu Clone das Sombras, algo até então proibido.

Especialista em técnicas médicas, Tsunade se torna alvo de Oroshimaru ao mesmo tempo que se torna a candidata ideal para o título de Hokage.

Com a banalização da técnica do personagem e o surgimento de golpes mais interessantes visualmente, como o Chidori de Sasuke, o jutsu já não era algo tão exclusivo e eficiente para diferenciar o personagem. Mesmo com o contrato com os bratáquios que Jiraiya faz com Naruto, a invocação de sapos não é algo tão simples para o nível de Naruto e nem tão prática para o leitor ver em todo capítulo.

Para solucionar tal problema o autor coloca o sannin pervertido para ensinar a Naruto uma técnica que apenas ele e o Quarto Hokage, seu discípulo conseguiram dominar: o Rasengan.

Feito em três níveis de dificuldade, Naruto acaba passando por cada etapa não por talento ou por algum dom escondido, mas pelo seu esforço, sua criatividade e um ponto que o motivou durante todo o treinamento: uma aposta contra a ninja mais azarada da história, Tsunade!

TSUNADE, A ETERNA PERDEDORA

Mesmo a saga focando o desenvolvimento de Naruto, não se pode esquecer que o pano de fundo para este arco é encontrar um substituto para Sarutobi. E não é apenas Jiraiya que está atrás de Tsunade.

Conhecida por suas habilidades médicas, Tsunade também virou alvo de Oroshimaru, que quer que a ninja cure suas feridas e selo que o Terceiro Hokage lhe colocou durante sua derradeira luta que impediu o ninja de língua comprida a fazer jutsus.

Oroshimaru matou o Terceiro Hokage, mas a luta o deixou muito dependente de seu maior aliado: Kabuto!

Nesse é desenvolvido algo que o autor de Naruto se especializou: comover o leitor com uma história lateral. A ninja de seios fartos é neta do Primeiro Hokage, mas tem horror a tal título. Tanto seu ex-namorado e seu irmão mais novo morreram em missão com o sonho de um dia se tornar Hokage.

Com a perda de seus dois entes mais queridos, Tsunade se afastou da Vila da Folha e se afundou em dívidas gastando a riqueza de sua família com jogos de azar, que ela sempre perde.

Oroshimaru promete ressuscitar o amor e o irmão de Tsunade se esta o curar, mas isto acabaria, e ela o sabe, implicando em uma nova invasão a Vila da Folha. É nesse momento, e principalmente durante a luta entre os três sannins, é que o altruísmo de Naruto consegue tocar fundo o coração da ninja lendária para que ela utilize a força herdada daqueles que ela conheceu em prol da Vila da Folha.

EU NÃO TRAIO MINHAS PALAVRAS

Eu serei Hokage. Só após a morte do terceiro e a ascensão da quinta, é que o leitor pôde compreender o peso e a responsabilidade desejada por Naruto ao querer se tornar o líder da Vila Oculta da Folha.

Se compreender isso era fundamental para o futuro da história, foi a ligação criada entre Sasuke, Itachi, Akatsuki e a Kyuubi que tornou o enredo de Naruto algo mais canône e menos casual.

Com o passar das sagas, é possível reconhecer o amadurecimento de Naruto.

Graças a Busca pela Quinta Hokage, Naruto pôde amadurecer como história e o enredo finalmente ganhou a consistência necessária para fazer de um sucesso comercial tão grande, um sucesso literário que rompe previsões e expectativas.

RESENHA: Naruto, a saga da ponte

Japoneses sempre foram especialistas em contar histórias. Seja em mitos milenares passadas verbalmente de geração em geração ou no atual formato do mangá em preto-e-branco, os heróis, vilões e dramas vividos em cenários deslumbrantes fascinam a todo aquele que conhece seus contos. Nos últimos 40 anos, a principal revista a conquistar leitores de todas as gerações e levar o Japão para o mundo é a Shonen Jump, que tem como seu mais recente fenômeno mundial o ninja loiro Naruto, que assim como a publicação em que foi concebido inicia sua história com uma ponte entre dois mundos: o da fantasia e o da responsabilidade.

O INÍCIO

Naruto é uma história que começou a ser serializada semanalmente desde 1999, ganhando animações, games e diversas outras obras de analise, apreciação e/ou universos paralelos. Com uma gama tão grande quanto essa, para se fazer uma resenha da história, é necessário dividí-la em partes, tal qual foi como em Bleach (leia a resenha aqui). Para dar início a sequência de textos, a primeira saga abordada será a Saga da Ponte, história na qual Naruto e a Equipe 7 precisam ajudar o construtor Tazuna a construir uma ponte no país das ondas.

Num mercado competitivo como o japonês, não é fácil emplacar uma grande história como a de Naruto, que já se extende por mais de 50 volumes encadernados. A quantidade de revistas é muito grande e o número de autores maior ainda. A entrada e saída de história todos os meses é sempre muito grande e o mercado tem sempre muitas novidades a escolher.

Mesmo na Shonen Jump, não são raros os casos em que as histórias precisam ser interrompidas, encerradas ou trocadas de revista pela baixa aceitação do exigente mercado japonês. Assim, para se conquistar o público, não basta escrever qualquer coisa, antes é preciso construir um mundo interessante aos olhos de quem vê e uma trama que prenda a atenção de quem lê.

Naruto começou com tudo isso, por isso a Saga da Ponte é considerada por muitos como o melhor arco do ninja loiro, mesmo que esta tenha influenciado pouco no desenrolar da história.

A Equipe 7 reunida: quatro personalidades que se completam.

O arco tem um papel básico, comum na grande maioria dos mangás shonen, apresentar o universo da história e seus protagonistas, mas a diferença deste para o de outros mangás é que o autor da história soube construir muito bem uma história que prendesse a atenção do leitor a medida que, aos poucos, ia apresentando os elementos que serviriam de base para os arcos seguintes, além de distribuir as personalidades de seus protagonistas de maneira equilibrada e a fim de alcançar uma gama bem grande de público-alvo.

A TEORIA DOS PERSONAGENS

O leitor veterano de mangás já deve ter percebido que sempre há personagens de estilos em comum em diversas obras. Sempre há o corajoso, o irritadiço, o mais frio, etc. Isso porque a maioria dos autores japoneses se apóia na teoria humoral, muito utilizada até alguns séculos após a Idade Média para avaliar os comportamentos do ser humano, para construir seus personagens.

Divididas em quatro elementos básicos, a teoria humoral ainda pode dar origem a “n” outros tipos de humor a partir de suas combinações. Dentro da Equipe 7, equipe a qual o protagonista da história entra após se formar na academia ninja, logo no primeiro capítulo do mangá, é possível ver os quatro tipos básicos em sua forma mais pura:

Não surpreendentemente, Naruto é o personagem de origem sanguínea. Esse é o esteriótipo do personagem protagonista seguida na maioria dos mangás shonen: corajoso e destemido o personagem costuma agir muito e pensar pouco, sempre tomando a iniciativa e tomando as rédeas da situação. Naruto encarna este personagem, mas também sofre com isso, diferente de Goku, Seiya ou Yusuke Urameshi, na Saga da Ponte o ninja loiro ainda não tem maturidade para lidar com aquilo que desafia, sendo muitas vezes alvo de gozação dos colegas ou, em sua vida comum, de toda a Vila da Folha. A história gira em torno de seu desenvolvimento para realizar seu sonho de se tornar um Hokage, o líder ninja máximo da vila onde vive.

A rivalidade de Naruto e Sasuke dão vida a história.

Rival de Naruto, o último membro do clá Uchiha, Sasuke, é o personagem do tipo colérico. Irritadiço, agressivo e idealista, este tipo de personagem costuma guardar profundas mágoas em seu interior que o leva a pensar demais enquanto age muito. Isso o deixa angustiado e muitas vezes contraditório em suas ações, o que o leva a ficar ainda mais irritado. Sasuke nutre um profundo ódio por seu irmão, o assassino de todo o seu clã e por isso, ainda criança jurou vingança a ele, o que o faz se afastar cada vez mais das pessoas apesar de beleza atrair muita popularidade entre as garotas da academia ninja.

Sakura fecha o trio genin, o nível mais baixo na escala ninja, com sua personalidade melancólica. Esse tipo de personagem é aquele pensa muito antes de agir e mesmo assim ainda age pouco. O autor enfatiza muito essa personalidade da garota criando a “Sakura por dentro”, a cada quadro que Sakura expressa um sentimento diferente do que seria o esperado, sua personalidade verdadeira é mostrada junto de muitos kanjis para expressar seus reais sentimentos. Principalmente na Saga da Ponte, a apaixonada garota mostra-se sempre muito na tangênte da história, cumprindo seu papel básico enquanto o autor desenvolve o amadurecimento de Naruto e Sasuke.

Fechando os quatro tipos básicos de personalidades e liderando a Equipe 7, está Kakashi Hatake, o personagem do tipo racional. Sempre calmo e maduro, o ninja de nível jonin, o mais alto da escala comum de graduações, muitas vezes faz pouco caso das ações ou inações de seus três subordinados, chegando a treiná-los aos mesmo tempo que lê o seu livro favorito, o Jardim dos Amassos, impróprio para menores de 18 anos. Conhecido como o Ninja que Copia, Kakashi é o tipo de personagem frio, que pensa muito antes de agir e sempre tem a situação sob controle, mesmo quando, escoltando Tazuna, acaba preso em uma armadilha do inimigo.

ANTAGONISTAS QUE COMOVEM

Se uma boa gama de protagonistas é necessária para que o leitor se identifique com a obra, são os antagonistas e o plano de fundo da história que o fideliza.

Kakashi foi o personagem mais popular da Saga da Ponte segundo o ranking realizado pela Shonen Jump!

Naruto começa sua história de maneira muito próxima do leitor, em uma acadêmia ninja que mais parece um colégio comum do Japão. Depois de traçar alguns dos elesmentos que permeiam o contexto da história, esta parte parte para o ambiente que os leitores desejam como escape de sua vida cotidiana: aventura, florestas e perigos.

Além disso, a Saga da Ponte ainda nos apresenta personagens comoventes que muitas vezes passam por dramas próximos aos do público-alvo. A que mais vale ser destacada é a do garoto Inari, o neto de Tazuna que não acredita em heróis.

Quando criança, Inari viu seu padastro, a quem ele considerava um herói, ser morto por Gatou, um traficante de drogas e produtos ilegais que utiliza o País das Ondas, que não possui Vila Oculta de Ninjas como é o país do Fogo que Naruto vive, como ponto estratégico para seus negócios. Naruto, smpre cheio de ideais, estabelece um grande contraponto com as crenças de Inari. Não são poucas as vezes que o ninja loiro dá várias lições de moral no garoto, mostrando que seu estado de latência em nada ajudará a realizar as mudanças que o padastro de Inari tanto desejava.

Essas lições sem pensar, muitas vezes infanis, que o protagonista solta em diversos momentos da saga e dos arcos seguintes, reforçam a construção do protagonista que Naruto quer ser, reforçando a imagem de personagem sanguineo, estabelecendo sua posição na história (que em tantos momentos tenta ser ofuscada pelas performances de Sasuke) e enchendo de valores a obra.

Escoltando Tazuna em sua construção de uma ponte que ligará o País das Ondas ao continente, a equipe 7 poderá prover certa liberdade e opções comerciais para o país oprimido.

A primeira vista, e a segunda também, Gatou pode parecer um vilão ordinário, sem graça. Mas é graças a ele que o leitor pôde ter contato com dois dos vilões mais interessantes qu Naruto já teve: Zabuza, o Demônio da Névoa Oculta e Haku, o gênio ninja capaz de fazer jutsus com apenas uma mão.

O sucesso de uma história muitas vezes depende da qualidade dos vilões!

Ambos os personagens foram a principal contribuição e a maior criação do autor para a Saga da Ponte e mesmo hoje, com mais de uma década de criação, a dupla se destaca entre todos os ninjas criados por Masashi Kishimoto.

Na tenativa de matar Mizukage e dar um golpe de estado no País das Águas, Zabuza passou a ser perseguido pelas tropas de elite da vila oculta do país, sendo obrigado a fugir e a fazer serviços para gente da estirpe de Gatou para ganhar dinheiro e sobreviver.

Antes de sair do país das águas, Zabuza levou consigo Haku, um menino que possuia uma Herança Sanguínea que o colocava em vantagem contra a maioria dos oponentes que enfrentasse.

As personalidades violentas dos dois personagens se choca diretamente com as grupo 7. Como um ninja frio e calculista, Zabuza vê em Kakashi o oponente ideal para aperfeiçoar suas habilidades, em contra-partida, o embate entre os dois acaba revelando o lado mais quente do Ninja que Copia.

A partir do momento que um ninja se forma na academia, este passa a ser um instrumento de sua vila, devendo deixar seus sentimentos de lado. Apesar de Kakashi parecer um retrato fiel disto, suas experiências no passado fizeram que seus ideais fossem além das regras da vila, acreditanto que um ninja deve lutar para proteger aqueles que ama.

Aumentanto ainda mais a proximidade de heróis e vilões, Haku compartilha da mesma ideologia de Kakashi, que numa luta épica contra Naruto e Sasuke mostra-se um ser muito mais sensível aos sentimentos que a máquina de matar idealizada por Zabuza.

O CAMINHO NINJA

A conclusão da saga, além de ser cheia de conflitos de ideais e de choque entre personalidades distantes que se aproximam com o tempo, ainda acrescenta uma reviravolta de proporções imensas que surpreende e emociona o leitor.

Naruto e o sonho de se tornar Hokage conquistaram o mundo!

Pondo todos os sonhos de Naruto em choque com as contestações de Kakashi e dos vilões, Masashi Kishimoto conseguiu não apenas criar um universo, mas fazer o leitor refletir sobre um mundo que apesar de aparentar ser pura fantasia, está muito próximo do mundo real.

A partir de todos elementos traçados, Naruto provocou o mundo ao perguntar ao leitor qual deve ser o significado do seu caminho ninja. Como fenômeno mundial, levou ao mundo a jornada de um garoto que quer descobrir o que é ser um herói de verdade.

Mesmo pré-formatado para ser sucesso, o autor provou que uma história pode ser bem contada e cheia de significado seja qual for o contexto que foi inserida, bastando ter o elemento chave que faz histórias de heróis, fadas e bruxas sobreviverem por séculos a fio: a busca e a luta pela realização de seus sonhos.