NEXT CONQUEROR

o blog do Davi Jr.

RESENHA: Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas

Há momentos que a efervescência cultural faz com que estudiosos e apreciadores da boa arte notem que a nova Literatura está se formando. Só para citar alguns, assim foi durante o Realismo no século XIX e também durante a Semana da Arte Moderna de 1922. Agora, com a fantasia nacional atingindo números estratosféricos de venda e repercussão mundial, pode-se dizer que Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas é o exemplar chave do momento cultural por que passa a literatura no Brasil.

Dragões-de-eter-1

CAÇANDO LOBOS

É ousadia demais dizer que Raphael Dracoon seja o agente motivador de uma nova era da literatura nacional, visto que autores como André Vianco há muitos anos já era um nome que começava a despertar o interesse da mídia quando escreveu em cenários brasileiros histórias fantásticas sobre vampiros e lobisomens. Mas mesmo o já consagrado autor se rende à incrível capacidade que o jovem Raphael Dracoon tem de contar histórias, fazendo com que o leitor se sinta numa verdadeira cantina medieval ouvindo a história de um Bardo quando se depara com um de seus livros.

Lançado em 2007, Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas é o reflexo perfeito de como as nuâncias do mercado literário do Brasil e do mundo estão mudando, e para melhor. Antes de ganhar o apoio e as graças de uma editora, o prodígio Raphael Draccon decidiu publicar totalmente de graça seu primeiro livro em um site da internet. Divulgando em sites de relacionamento, fóruns e demais comunidade virtuais, a auto-propagando foi ganhando fãs e adeptos do estilo Dracoon de contar histórias e logo a repercussão do título fez com que a Editora Leya apostasse na obra e levasse o título nas livrarias de Oiapoque ao Chui.

O advento da internet e todos os canais de relacionamento (social e comercial) criados por meio dela, aliado a ascensão do gêneros fantásticos cada vez mais presentes na cinema, na TV e nos livros importados do exterior desde os anos 80 e 90 são um dos principais agente motivadores da criação de diversos autores interessados no gênero, que no Brasil sempre foi muito mal visto.

Nova Éter é um universo que reúne todos os Contos-de-Fada!

Nova Éter é um universo que reúne todos os Contos-de-Fada!

Se nas universais clássicos da fantasia são títulos obrigatórios nas aulas relacionadas à cultura desde o jardim de infância até a universidade (vide O Senhor dos Anéis na Alemanha ou Alice no País das Maravilhas na Inglaterra), no Brasil, este gênero sempre foi tido como sub-cultura, algo infantil e desvalorizado, fazendo com que as aulas de literatura apenas tivessem figurados em seu currículo livros que retratam a realidade de um povo ao longo de uma história cheia de tragédias e lutas infindáveis  com modernistas descrevendo os martírios de suas terras leitores que pouco se linchavam com a desgraça alheia.

É claro que seria muito exigir que um povo produzisse obras que refletissem figuras de linguagem que transmitissem ideologias que nunca foram cultivadas no país, como sempre fizeram os líderes americanos e europeus. O Brasil é historicamente um povo que procura alento com a cultura, não a diversão. Até mesmo o autor brasileiro contemporâneo mais vendido da atualidade tem em suas ficções diversas pitadas de auto ajuda e esoterismo, reflexo da inserção do brasileiro pelos temas que lhe interessam.

Com um mercado parado, se aventurar por produzir títulos em um segmento literário cheio de grilhões, parece loucura para um contador de histórias. Mas provando que a mundialização da cultura se torna uma realidade que influencia cada vez mais as preferências do brasileiro, Raphael Dracoon faz história, contando histórias.

Alguém já parou pra pensar a tragédia que foi a história de Chapeuzinho  Vermelho?

Alguém já parou pra pensar a tragédia que foi a história de Chapeuzinho Vermelho?

CAÇANDO FADAS

Dividido em três volumes, Dragões de Éter nos apresenta a um mundo fantástico e cheio de criaturas e personagens que variam do simples e comum ao fantástico e inimaginável. Estamos falando da terra de Nova Éter, que só existe, segundo as notas iniciais do autor, graças ao semi-deuses leitores que tornam todo o universo real a medida que se emocionam e compartilham da história contada pelo Criador, como o autor se denomina.

O primeiro volume traz o subtítulo Caçadores de Bruxas, que exprime um evento que aterrorizou o passado dos personagens, gerou o presente e recriou o cenário para traçar o enredo do universo: a Caçada as Bruxas do então Conselheiro Vermelho da cidade de Andreamme, Primo Branfort, o mais velho de três irmãos filhos de um molineiro, que se tornou rei graças a exterminar Bruja, a primeira e mais terrível bruxa que já viveu no mundo etéreo.

Para quem lê essa sinopse, Dragões de Éter parece ser mais uma das muitas histórias de cavalaria extensa como as clássicas sagas de J. R. R. Tolkien e do contemporâneo George R. R. Martin, mas a obra de Dracoon supera o esperado e coloca não um rei ou um guerreiro como personagens centrais do desenrolar de sua trama, mas sim personagens que todos os leitores já conhecem há muito tempo desde a sua infância: os personagens dos mais variados contos-de-fada!

Uma versão Cartoon Newtwork seria um pouco do tudo que os fãs poderiam querer!

Uma versão Cartoon Newtwork seria um pouco do tudo que os fãs poderiam querer!

Se aproveitando das brechas deixadas pelos contadores de histórias seculares, Raphael Dracoon uniu em um mesmo universo todos os clássicos infantis, dando um toque de originalidade que não prejudica as narrativas originais, muito pelo contrário, às deixa ainda mais interessantes. Histórias como as de Chapéuzinho Vermelho, João e Maria e O Gato de Botas são recontadas pelo Criador a fim de localizar o leitor no tempo-espaço de Nova Éter, para então dar início aos dramas da sonhadora Ariane Narin, dos perspicazes João e Maria Hanson, do corajoso Axel Brandfort e muitos outros.

A cada novo elemento clássico unido aos personagens originais da série, como o ardiloso Snail, fazem com que o leitor se surpreenda com a história e mergulhe de cabeça no universo de Dracoon, um misto de passado e presente contado num ritmo alucinante de telenovela, onde vários pontos da narrativa vão sendo intercalados em capítulos curtos (e completos!) que torna a experiência leve, divertida e muito, muito imersiva.

CAÇANDO BRUXAS

Todo mundo gosta de ler o que já conhece, e Raphael Dracoon sabe disso. Por isso o autor tomou o cuidado de contar sua história sem que os fãs mais puristas das histórias rechaçassem sua obra ao mesmo tempo que redespertou o mesmo fascínio que todo leitor tinha quando, ainda criança, eram apresentados aos contos-de-fada dos Irmãos Grimm, Hanz Christian Andersen e demais gênios da literatura infantil.

O autor usa as referencias no ponto certo, sem exagero, criando uma grande história original, e se adiantando ao fenômeno mundial ocorrido após o filme Alice no País das Maravilhas de Tim Burton em 2010, onde está em alta o cinema, a tv e as histórias em quadrinhos em recontar os contos-de-fada. Prova cabal que mesmo sem o devido estímulo cultural devido na escola e nos meios de comunicação, a vanguarda da literatura mundial está no Brasil, país tão bom em quebrar conceitos, mas tão ruim em administrar a seu alto nível.

Raphael Dracoon transformou a literatura brasileira num fenômeno!

Raphael Dracoon transformou a literatura brasileira num fenômeno!

Presenciar Raphael Dracoon contando suas histórias fantásticas e assistindo a repercussão que o autor vem ganhando desde a primeira publicação online de Dragões de Éter, é como presenciar a história em tempo real: presenciar o autor escrevendo a história da literatura brasileira que, no futuro, será parte integrante um novo movimento literário despertado nos anos 2.000 que será estudado e apreciado por muitas e muitas gerações. Ou, pelo menos, assim se espera.

6 Respostas para “RESENHA: Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas

  1. Júlia Dantas outubro 25, 2013 às 5:56 pm

    Faz mais um volume de Dragões de Éter!

  2. Júlia Dantas outubro 25, 2013 às 5:57 pm

    Eu amo esses livros!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Júlia Dantas outubro 26, 2013 às 12:25 pm

    vc sabe se o Raphael Draccon vai fazer mais um volume de Dragões de Eter?

  4. Pingback: Pixeletra: evento bateu recordes na Livraria Leitura do Maxi Shopping Jundiaí! | NEXT CONQUEROR

  5. Pingback: RESENHA: Dragões de Éter: Corações de Neve | NEXT CONQUEROR

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: