NEXT CONQUEROR

o blog do Davi Jr.

RESENHA: Lisístrata, filme espanhol

Em meio a uma guerra que se arrasta por décadas, homens e mulheres, atenienses e espartanos, sofrem com o desalento da dor da perda e ao mesmo tempo se acostumam com a ideia de que a batalha já faz parte do cotidiano. O filmes espanhol Lisístrata, faz a adaptação de uma peça grega escrita a milênios atrás, mas diferente dela, traz a visão perturbadora do que o mundo vê como comédia os textos pueris da comédia contemporânea.

Em 411 a.C., Aristófanes, o maior dramaturgo do século de Péricles, estava estafado com a condição a que a Hélade ficara com o fim da Guerra de Polopneso, onde Atenas e Esparta, mas duas maiores forças bélicas e econômicas da Grécia Antiga, travaram inúmeras batalhas por quase um século.

Assim, nasceu um texto do autor que, apesar de ser formatado como uma comédia, se mostrou deveras crítico a conformidade que o povo grego ficara diante da Guerra: parcial e inativo; desejoso do fim, porém resignado a sua condição.

Na história, as mulheres de Atenas, lideradas por Lisístrata (personagem que dá nome a história), decidem criar alianças entre todos os membros de sexo feminino de toda a Grécia, inclusive de Esparta, para realizar uma Greve de Sexo. Após dominarem a Acrópole da maior cidade-estado da Grécia, as mulheres informam aos homens que só terminariam com a greve, quandos todas as cidades assinassem uma acordo de paz.

Com uma temática tão atual e interessante aos olhos dos consumidores, não demorou para que a comédia Lisístrata ganhasse adaptções e versões nos meios de comunicação de última geração da atualidade, sendo o filme de 2002 produzido na Espanha e dirigido por Francesc Bellmunt, a mais notória adaptação.

A adaptação do quadrinho alemão coloca o homossexualismo como ponto-chave da trama, o que não acontece na versão original de Aristófanes

Assim como todo filme produzido fora de Hollywood, os efeitos especiais não são grades coisas, sendo as cenas de guerra gravadas com o maior tom de casualidade, o que acaba também por reforçar a caraterística de comédia da obra. Porém, a ambientação, os figurinos, os cenários e as performances dos atores espanhóis são de fazer inveja a qualquer filme americano.

Mesmo com suas restrições, o filme teria uma capacidade gigantesca de mostrar para a contemporaneidade a grandiosidade e a genialidade de Aristófanes, ainda numa época em que a arte de atuar estava se desenvolvendo. Porém, o filme decepciona por trazer o nome original da obra e ser uma adaptação de uma adaptação mal formada.

O filme de Francesc Bellmunt, é uma adaptação de uma história em quadrinhos alemã do cartunista Ralf König, que como profissional underground, levou Lisístrata de Aristófanes a um universo alternativo do original que está presente nos dias de hoje.

Com a quebra de paradigmas e a liberdade de expressão dos últimos 50 anos, é nítida que a liberdade sexual está muito mais presente nos dias hoje. O homossexualismo, além de bem inserido em todos os campos em que outrora era ridicularizado, criou um nicho de mercado que cresce a cada ano, gerando milhões de lucratividade para os que se souberem se aproveitar de tal segmento de mercado.

A relação de Mirrina e Cinésias está presente no filme, mas com a mesma graça do original.

König tinha ciência disso e fez de sua versão de Lisístrata uma história em que os homossexuais reprimidos de Atenas passam a oferecer os “carinhos” que as mulheres em greve se recusam a conceder aos homens, fazendo com que o fim da Guerra de Polopneso aconteça por motivos muito diferentes dos previstos pelas mulheres.

Mesmo curto, apenas 1 hora e 20 minutos de duração, o filme apresenta um pouco de todos os personagens clássicos de Aritófanes, estão lá Lampito, Mirrina e Cinésias, os quatro velhos, o Ministro, o Embaixador e todos os cativantes caricatos da Antiga Grécia.

Porém, o filme se foca nos personagens originais homossexuais, que são citados em uma frase da narração de Aristófanes como guias da história para contar sua comédia, que apoiada nas visões viciadas e entediantes de seus esteriótipos modernos para contar uma comédia igualmente entediante, com um texto, que apesar de moderno, um tanto quanto desgastado e muito diferente do texto original que continua atual mesmo sendo escrito a tantos anos.

Se por um lado a produção tem seu quê de originalidade para o seleto grupo que conhece a grande obra de Aristófanes, o cinema espanhol perdeu a chance de se projetar ao mundo optando por produzir um filme de nicho ao invés de uma adaptação fiél de texto que perdura como objeto de estudo e referência da arte por milênios, sobrevivendo ao tempo e rompendo as fronteiras do tempo.

Até as causas que levam Lisístrata e Lampito a organizarem a greve de sexo é diferente como é contada no filme e na versão original de Aristófanes.

E NÃO PERCA EM OUTUBRO EM JUNDIAÍ

Nos dias 19 e 30 de outubro de 2012 no anfiteatro do Centro Universitário Padre Anchieta, a Cia de Teatro Techniatto irá apresentar uma nova adaptação do clássico de Aristófanes baseada em seu texto original, trazendo a magia dos personagens clássicos e a dimensão de uma comédia grega aos palcos de Jundiaí.

O ingresso custa R$3,00 (mais um quilo de alimento não perecível a ser entregue na entrada do espetáculo) se comprar adiantado e R$5,00 na porta (mais um quilo de alimento não perecível).

Clique aqui para acessar o site da companhia. Clique aqui para conhecer (ou relembrar) a peça A Fantástica Fábrica de Chocolate, encenada pela companhia em 2011 e com cobertura exclusiva do blog Next Conqueror.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: